Conecte com a gente

BLINK NEWS

Alunos que desistem de estudar custam 130 bilhões de reais por ano ao país. Assista à entrevista com Caio Dib:

Caio Dib é jornalista e educador e viajou pelo Brasil para fazer pesquisas sobre a educação. Com o projeto Caindo no Brasil (que hoje já tem livro, redes sociais, portais), Caio descobriu muitas coisas boas e interessantes em projetos educacionais de escolas de todo o país e iniciou uma lista de boas práticas da educação, [...]

Caio Dib é jornalista e educador e viajou pelo Brasil para fazer pesquisas sobre a educação. Com o projeto Caindo no Brasil (que hoje já tem livro, redes sociais, portais), Caio descobriu muitas coisas boas e interessantes em projetos educacionais de escolas de todo o país e iniciou uma lista de boas práticas da educação, atualmente totalizando mais de quatrocentos itens. Este jornalista e educador buscou ouvir alunos e professores e conhecer as diferentes realidades brasileiras, contou suas histórias e concedeu suas opiniões ao #CaféComBlink desta quinta-feira (13).

Durante o bate-papo, Caio Dib destacou que a situação atual do país tem vínculo com a educação e disse acreditar que, em conjunto, instituições, governo, população, professores, alunos, podem fazer mudanças; pensar em novos formatos. Caio usou o Mato Grosso do Sul e Campo Grande como exemplo bom, mas também ruim da educação brasileira: lembrou que estado tem um ensino técnico inovador e reconhecido nacionalmente, mas criticou a evasão de alunos das escolas, ou seja, a desistência de muitos jovens em estudar. Ele destaca: “quando um aluno sai da escola, não só ele perde, como o país todo perde. O custo social da evasão no Brasil é de 130 bilhões de reais por ano”.

Para o educador, a ideia é trabalhar com as pessoas e ouvi-las, utilizando metodologias inovadoras e os recursos que forem viáveis e existentes; fazer acontecer, já que cada um de nós conhecemos nossas comunidades melhor do que ninguém: “criar junto com pessoas, projetos que resolvam problemas da educação do seu bairro é muito mais potente do que (…) um projeto de governo federal que, teoricamente, busca solucionar o problema do seu bairro”.

Caio lembra que a geração atual é uma geração curiosa, em momento de transição, “que está mudando e criando” e que “ninguém sabe muito bem os caminhos”. Apesar de tudo, é importante lembrar: “a curiosidade não pode morrer” e não podemos ignorar o passado, tanto as experiências, quanto as bases teóricas. Pelo contrário, “precisamos usar o passado para construir um novo futuro”.

Escrito por

Acreditar no melhor da vida e ter valores bem definidos para saber vivê-los. Mesmo assim ser dócil e gentil com dias difíceis e nunca esmorecer. Assim busco a felicidade e compartilho minha vida. Seja bem-vinda(o) aos meus conteúdos e conte comigo!

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECOMENDADOS PARA VOCÊ:

03 JUL #6_PRINCIPAISNOTÍCIAS

BLINK NEWS

Você gostava da aula de educação física?

COLUNISTAS

Depois de sofrer bullying na escola, psicólogo encontra na psicologia positiva um caminho possível

COLUNISTAS

Youtubers trazem economia para jovens das periferias brasileiras

COLUNISTAS

WhatsApp chat