Ararinhas-azuis voltam ao Nordeste

A última vez que as ararinhas-azuis foram avistadas na Caatinga brasileira foi no ano 2000, mas agora oito delas retornarão para o Nordeste e serão soltas na Bahia, em junho. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) anunciou a notícia e ajudou na reabilitação e monitoramento das aves, vindas da Europa e alocadas em um centro na cidade de Curaçá, no norte da Bahia.

A espécie Cyanopsitta spixii é nativa da Caatinga, bioma predominante na região, e voltará a povoar o céu do sertão do São Francisco. A ararinha-azul chegou a ser considerada extinta na região há 22 anos. Desde então, pesquisadores e grupos de ambientalistas iniciaram uma mobilização para tentar reintroduzir as aves ao habitat natural.

Para reintegrar as aves na Caatinga, o ICMBio trouxe, em março de 2020, 52 ararinhas da Alemanha e da Bélgica. Elas foram levadas para a unidade de conservação em Curaçá, para serem preparadas para voltar à natureza brasileira. O objetivo do projeto é que haja mais soltura nos próximos anos até que exista uma população estável da espécie, em liberdade no norte da Bahia.

Os dados são do site Só Notícia Boa.

Quer falar com a BLINK?