fbpx

Coisa de menina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O desafio é tentar te explicar o que está acontecendo comigo nessa manhã de sexta feira, com dois pensamentos nada a ver um com o outro e que eu gostaria de unir nessa crônica. Na verdade, três.

O primeiro é que sou a décima filha. A sétima menina dentre onze irmãos, que se multiplicaram sem preguiça, aumentando cada vez mais a quantidade de pessoas da minha casa de infância. Mais de trinta sobrinhos, imagina. Dava até para brincar de boneca com neném de verdade. Aquilo parecia uma linha de produção de fazer gente. Mãe era mãe, avó e bisavó quase que em tempo real. Só eu não tive filhos. De medo, decidi ficar para titia.

O segundo é que, quarenta anos depois de um dia qualquer desse quintal de crianças, quinta feira passada, fui ao médico. Sai de lá com a certeza de que me recuso a ter fogacho! Já não basta a sensação de maçarico por dentro do rosto, o cansaço, e mais essa palavra horrível para eu carregar?  Se pelo menos fosse uma palavrinha linda tipo brisa, ainda vai. Ou sopro da maturidade. Imagina contar que ando sentindo uma brisa ou o sopro da maturidade, normal para essa fase da vida. Poético! Agora essa outra aí, as sílabas nem combinam FO-GA-CHO. Quem inventou essa palavra não podia ser feliz. Conclamo aqui a todas as mulheres um levante contra essa palavra. A partir de hoje, nenhum médico pode ousar dizer essa isso numa consulta! Você pode ter 20, 30 ou 40 anos, um dia o fogacho vai te pegar, não se iluda! Para você não passar pelo que estou passando, venha somar comigo. É muito desconfortável passar por tudo nessa vida, conquistas, medos, superações, para chegar no… FOGACHO. Faça-me o favor!Basta as outras que entraram na vida de repente e agora falo toda hora, assim, normal, como se nada houvera: hormônios, colágenos, cremes, consultas. Que o tempo mudou meu vocabulário, isso é certo. 

O terceiro pensamento é que entre pessoas e palavras, os muitos dias se passaram. Hoje eu sei que não farei uma pessoa, mesmo que eu queira, por escolha da natureza. A fábrica fechou, o medo já não manda mais e foi-se o tempo de parir. E agora? Cuidar de mim com atividade física, comer direitinho, beber muita água e seguir fazendo arte, que era o que eu fazia no quintal da minha infância.

Essa menopausa deve estar embaralhando meus pensamentos nessa manhã de sexta feira. E essa seca piora muito tudo isso.

E aí? O que acha do assunto? Comente!

As prateleirinhas

Ideia boa quando brota na cabeça, desce pelo braço, como quem vai para as pernas, desembarca na mão, vira rabisco e nasce em forma de

Leia mais »
As paredes têm ouvidos

As paredes têm ouvidos

São vinte anos olhando para você desse mesmo lugar. Um privilégio porque daqui pude assistir seu repouso tranquilo e imaginar seu sonho que vez ou

Leia mais »
Quem sabe hoje...

Quem sabe hoje…

Ouvir dizer que a palavra Beleza vem do hebraico e quer dizer “Onde Deus Brilha”. Achei poético para começar a contar sobre o dia que

Leia mais »
PRIMEIRO OUÇA, DEPOIS LEIA

PRIMEIRO LEIA, DEPOIS OUÇA…

Leia, depois ouça…Do-Ré-Mi-Fa-Fa-Fa Declarei minha independência ou morte por volta dos dezessete anos. Na força dessa idade, fui morar no fundo do terreno da casa

Leia mais »

Assine nossa newsletter e receba tudo primeiro!

Não mandamos spam e nem divulgamos seu e-mail! Apenas enviamos mediante sua autorização.