fbpx

Hoje é o amanhã de ontem

Apesar de uma manhã comum, naquele instante, o tempo passou diferente e mais rápido que de costume.

No consultório, a assistente parecia um anjo de olhos verdes na imensidão branca daquela sala. Ele, muito jeitoso e educado, pediu que abrisse a boca, anunciando em seguida sua boa nova: hoje nós vamos “escanear” seus dentes. Na hora pensei que usava esse verbo para falar com designer gráfico, nunca com dentista. Ainda assim, me entreguei para a experiência, confiei e relaxei. A delicadeza dele trouxe algo que à primeira vista lembrava uma caneta gigante. Fazia som de clicks suaves e o movimento parecia um escovar de dentes, normalidade do dia a dia, só que não. Ele brilhou de orgulho ao dizer que, em tempo real, montávamos um “três dê” da minha boca. Cada clique uma foto e um milhão delas para apresentar toda a complexa estrutura de ossos, veias, dentes e raízes. O que era simples para ele, para mim virou um dar-se conta do tempo que correu ao contrário e, de súbito, soltou o elástico da memória e da nostalgia. E agora? E os casquetes? Os tubetes? E a lamparina com fogo? O que será feito de todas essas coisas que conheci ao longo destes anos? Seria o fim da idade média da odontologia?

Desde que me entendo por gente, algo me dizia que cuidar da boca me ajudaria a chegar em Roma. De dentista em dentista, perambulei por clínicas, num tempo em que arrancar logo para parar de doer era o jeito de fazer as coisas. Época em que moldar exigia muito mais espaço para aquela coisa de metal gigante, recheada de massa azul que, para endurecer, trazia na espera da secagem, minutos eternos de silêncio, anunciando a força sobrenatural que viria para tirar dali, com as posições todas marcadas e os dentes cravados, literalmente, a boca para fora. Essa hora, num ato de amor, a palavra “paciente” permanecia viva como nunca. Isso fora todo o resto da história que pude acompanhar. E pensar que o consultório do Doutor Lourenço tinha cadeira de madeira, em estado bruto e nesse essencial carregava no olhar essa mesma delicadeza que vi hoje pela manhã, coisa de gente de verdade. Nessas cadeiras, o futuro chegou. E como será que chegou para o doutor Lourenço que, nas minhas contas, ainda deve estar trabalhando?

Poderia falar sobre o fim da lamparina de fogo, sobre a evolução e o papel da tecnologia na vida comum, sobre casquetes e tubetes, sobre tantas coisas, mas essa consulta tem hora marcada. De volta a imensidão branca, a boca toda na tela do computador, sem força, sem dor, sem nada. Ele me diz que os dentes estão se movendo, mas que o aparelho vai ajudar. Que isso pode incomodar um pouco, nada demais.

O que me dói mesmo é assistir ao tempo que voa nesse futuro que tem pressa. Mas esse aparelho também deve ajudar. São tão modernos. Se bem que acho que nem com elástico vem mais.

E aí? O que acha do assunto? Comente!

As prateleirinhas

Ideia boa quando brota na cabeça, desce pelo braço, como quem vai para as pernas, desembarca na mão, vira rabisco e nasce em forma de

Leia mais »
As paredes têm ouvidos

As paredes têm ouvidos

São vinte anos olhando para você desse mesmo lugar. Um privilégio porque daqui pude assistir seu repouso tranquilo e imaginar seu sonho que vez ou

Leia mais »
Quem sabe hoje...

Quem sabe hoje…

Ouvir dizer que a palavra Beleza vem do hebraico e quer dizer “Onde Deus Brilha”. Achei poético para começar a contar sobre o dia que

Leia mais »
PRIMEIRO OUÇA, DEPOIS LEIA

PRIMEIRO LEIA, DEPOIS OUÇA…

Leia, depois ouça…Do-Ré-Mi-Fa-Fa-Fa Declarei minha independência ou morte por volta dos dezessete anos. Na força dessa idade, fui morar no fundo do terreno da casa

Leia mais »