fbpx
conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

ENTRETENIMENTO

Linda Benitez: As vidas que não vivi.

Linda Benitez: As vidas que não vivi.

O galeto, divino. Depois disso, o movimento dela era leve de servir café, soltando palavras ao vento, avisando:

– Ah, chegou o álbum de casamento, quer ver? Pausa.

– Lógico, respondi, meio gaguejando porque, afinal de contas, fotografia é coisa séria. De casamento então, um sagrado rito. Mas vamos lá, devaneios só serão permitidos no final do texto.

O que era para ser meu espreguiçar paraguaio de pós almoço, num feriado chuvoso qualquer, transformou o dia, a semana, o mês e a vida inteira num quase tratado filosófico sobre as vidas que não vivi. Foi um dar-me conta, um cair de ficha. Coisinha despretensiosa nada, o que senti era meu próprio buraco no filme da Alice no país das maravilhas. Entrei, mergulhei.

Página a página, sorrisos, ângulos, preto e branco, cores, fosco. Tudo arrumado e como deve ser para “guardar a alma”, como diziam os antigos. Tinha madrinha maquiada, criança olhando para o céu, noivos nervosos, pais orgulhosos. Na linha do tempo dessa vida real, aquele álbum me dizia: aqui deu tudo certo, e aí? Menina de família nasce, cresce, reproduz e tem fotos, muitas fotos, inclusive de casamento.

Aqui sim, em mim, uma epifania. Não tenho nenhum álbum. De quinze anos ou de formatura, nem belas imagens de barriga redonda desenhando a sombra do bebê que ainda não nasceu, nem vai nascer. Noiva? Nem nas brincadeiras tive um vestido branco para chamar de meu. Sem madrinhas ou bem-casados. Nunca ouvi “love in the air” na hora do filé a piemontês, nem ajudei meu tio que bebeu demais, nada disso.

Onde é que eu estava quando essas coisas aconteceram comigo? Não tenho a mínima ideia. Seria necessário refazer o percurso, voltar para o início ou andar cinco casas? Será que a vida são fotos e não o filme inteiro? Será que retrato vem de re-tratar que diz para tratar de novo? E quando o galeto for na minha casa vou mostrar o quê na hora do café?

Mês que vem farei cinquenta e um. Quem sabe fazer da festa, uma exposição fotográfica. Imagens fotoshopadas, barriga de grávida, cara de debutante, felicidade de beca. A vida toda fotografada e exposta de uma só vez para prestar contas sabe-se lá para quem. Certas liberdades deveriam ser proibidas quando valem uma vida para revista. Uma exposição, resumo acelerado para chegar até aqui, nesse momento de devaneios. Porque agora posso.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pessoas estão lendo agora:

COLUNISTAS

Qual mulher não gostaria desse título? Ops! Vou explicar: estou falando em ”amante” no sentido: aquela que ama muito. E não aquela amante, tipo...

COLUNISTAS

Ainda hoje, para muitas mulheres (por mais moderna que seja), a primeira relação sexual dá um frio na barriga. Até porque é cercada de...

COLUNISTAS

Quando se fala em “fetiche”, as pessoas já pensam logo, em coisas bizarras… Grande engano. Você sabia que a palavra fetiche vem de feitiço,...

CAFÉ COM BLINK

Ação em prol do Cotolengo sorteia camiseta oficial do título da Libertadores. No nosso Estúdio o Diretor da Instituição Padre Valdeci Marcolino. Cotolengo Sul-Mato-Grossense...