Conecte com a gente

BLINK NEWS

‘Não estou grávida, estou farta’: o desabafo de Jennifer Aniston contra mídia sensacionalista

Atriz, produtora, diretora e agora blogueira! Jennifer Aniston aproveitou o espaço no site The Huffington Post para escrever, ontem, um artigo sobre o assédio dos tablóides americanos contra as mulheres. Frequente vítima das revistas de fofoca desde que ficou famosa em Hollywood com a série “Friends”, Jennifer respondeu aos recentes rumores de que está grávida – boato que [...]

Atriz, produtora, diretora e agora blogueira! Jennifer Aniston aproveitou o espaço no site The Huffington Post para escrever, ontem, um artigo sobre o assédio dos tablóides americanos contra as mulheres.

Frequente vítima das revistas de fofoca desde que ficou famosa em Hollywood com a série “Friends”, Jennifer respondeu aos recentes rumores de que está grávida – boato que a persegue desde quando a atriz era casada com Brad Pitt.

“Só para saberem, eu não estou grávida. O que estou é farta. Farta do escrutínio feito quase por esporte e do ataque ao corpo das mulheres que ocorre com a desculpa do ‘jornalismo’, da ‘Primeira Emenda’ e das ‘notícias de celebridade’”.

in-touch-jen-aniston-not-pregnant-zoom-ab99e865-05ab-495c-8a19-3727cf7f3d5e

Jennifer atacou a objetificação das mulheres e declarou que o jeito com que a mídia a retrata é reflexo de como a sociedade as vê em geral. Para ela, o fato de ser um símbolo também significa ser um exemplo de como mães, filhas, irmãs, esposas e outras são vistas.

“Estou cansada de ser parte desta narrativa. Sim, talvez eu me torne uma mãe algum dia, e se isso acontecer, serei a primeira a contar. Mas não é porque não queira ser mãe agora que eu esteja incompleta, como as notícias querem que acreditemos. Não gosto de quererem fazer me sentir ‘menor’ porque meu corpo está mudando e/ou porque comi um hambúrguer no almoço e fui fotografada por um ângulo estranho, e por isso ser considerada ou ‘grávida’ ou ‘gorda’.”

A atriz, que antes não ter levado a sério a mídia sensacionalista, diz saber que a cultura dos tablóides não vai acabar tão cedo, mas que a mudança pode vir dos próprios consumidores.

“O que podemos mudar é nossa consciência e reação às mensagens tóxicas contidas nessas histórias aparentemente inofensivas publicadas como verdade e moldam nossas ideias sobre quem nós somos”.

via PapelPop

Escrito por

Jornalista Brasileira. Produtora de conteúdo. pura canceriana. descobrindo maneiras de agradecer, sempre. respirando fundo, de vez em quando. a louca da poesia, dos contos e das letras de músicas. Journalist brazilian w/ italian citizenship - cargocollective.com/giuliasimcsik

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECOMENDADOS PARA VOCÊ:

WhatsApp chat