fbpx

O fruto não cai longe do pé

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Já escutei algumas vezes que, nas histórias que conto, não dá para confiar. Dizem que troco nomes, mudo datas e invento coisas.  Ouvi isso de várias maneiras, seja na amizade ou levando bronca mesmo, sem cerimônias.  Passei a prestar atenção no porquê disso e sabe o que descobri? Que isso não importa. Olhar uma cena de dentro pode ser diferente do olhar de fora. Então, contarei essa história pelo lado de dentro.

Domingo passado recebi um casal de amigos e passamos a tarde conversando. Nem sei porque cargas d’água comecei a contar algumas lembranças de infância, das profissões do meu pai e das coisas que aprendi com isso.

Ele foi recruta da segunda guerra mundial, congelou naquela neve, viu matar e morrer e voltou herói. O dinheiro que recebia nem de perto supria as necessidades da casa, já que éramos onze filhos, tinha que se virar.  

Lição 1: É preciso ter coragem para guerra ou para inventar coisas.

Enfiou na cabeça que encontraria ouro enterrado perto de Guia Lopes ou Nioaque e comprou um detector de metais, que parecia um pêndulo. O que me impressionava é que se arrumava todo para ir trabalhar e procurar coisas pelo chão com isso, mesmo sem nunca ter achado nada.

Lição 2: elegância e fé juntas são uma potência.

Depois disso, decidiu fazer tijolos. Surgiu com uma forma de ferro azul que se preenchia com barro e água. Colocava as crianças em fila para ajudar na produção. Aquilo era divertido, mas a forma fazia um tijolo de cada vez.  Cada criança fazia o seu e voltava para o final da fila. Ou seja, a produção era de onze tijolos por mais de hora. Claro que não ia dar certo. 

Lição 3: Simplicidade – uma obra começa com um tijolo e pode levar uma vida inteira.

Numa madrugada, acordei para beber água e dei de cara com uma montanha de Sapato Vulcabrás na sala. Ele tinha feito negócio da china num leilão. Dia após dia, saía para vender, de porta em porta. E lógico, os filhos dele usariam esses sapatos para sempre. E assim foi, acho que até uns dezesseis anos, andava com isso nos pés.  Consegue imaginar, o mesmo sapato no Natal, na Páscoa, no aniversário? Nem lembro mais o que virou daquela quantidade de pares, sei que até hoje não sei comprar sapatos.

Lição 4:  Existem coisas que, mesmo novas, parecem velhas,

Ainda tentou a carreira de fotografia com o estúdio em casa e com todas as crianças de assistente. As mães levavam seus filhos arrumadinhos, mandava segurar na flor e click, batia a foto.

Lição 5: a fotografia precisa da poesia.

Meu pai soube se divertir nessa vida. Se ganhava dinheiro ou não, é outra conversa. O que importa é que escrevendo sobre ele, acabei descobrindo que não sei nada de inventar coisas.

Ele sabia.

Preciso encontrar uma profissão, vou escrever.

E aí? O que acha do assunto? Comente!

As prateleirinhas

Ideia boa quando brota na cabeça, desce pelo braço, como quem vai para as pernas, desembarca na mão, vira rabisco e nasce em forma de

Leia mais »
As paredes têm ouvidos

As paredes têm ouvidos

São vinte anos olhando para você desse mesmo lugar. Um privilégio porque daqui pude assistir seu repouso tranquilo e imaginar seu sonho que vez ou

Leia mais »
Quem sabe hoje...

Quem sabe hoje…

Ouvir dizer que a palavra Beleza vem do hebraico e quer dizer “Onde Deus Brilha”. Achei poético para começar a contar sobre o dia que

Leia mais »
PRIMEIRO OUÇA, DEPOIS LEIA

PRIMEIRO LEIA, DEPOIS OUÇA…

Leia, depois ouça…Do-Ré-Mi-Fa-Fa-Fa Declarei minha independência ou morte por volta dos dezessete anos. Na força dessa idade, fui morar no fundo do terreno da casa

Leia mais »

Assine nossa newsletter e receba tudo primeiro!

Não mandamos spam e nem divulgamos seu e-mail! Apenas enviamos mediante sua autorização.