Conecte com a gente

BLINK NEWS

Para cientista político, “a crise é o novo normal” dentro do STF. Ouça:

Para o cientista político, Victor Miranda, a decisão de Marco Aurélio Mello de soltar presos em 2ª instância, que logo em seguida foi suspensa pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, tem influência política, no sentido “clássico” da palavra: o de eleger um objetivo, estabelecê-lo como meta para adquirir algo e utilizar de instrumentos para atingi-lo. Victor lembra que o ex-presidente Lula é apenas um dos milhares de presos em 2ª instância e destaca que é necessário, ao falar sobre a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, levar em consideração o histórico do poder judiciário sobre o assunto e a divisão dos formatos de pensamento e das ideologias dos ministros, somada às questões econômicas.

Existe uma crise declarada dentro do judiciário brasileiro: “a crise é o novo normal”, afirma o especialista, que diz que não é possível – ou, pelo menos, não tão cedo – esperar que as coisas sejam solucionadas, por exemplo, com uma renovação do STF. E também pondera o fato de a constituição estar sendo interpretada de formas diferentes por cada membro do judiciário no geral, inclusive juízes de outras instâncias e não apenas ministros.

Na entrevista, concedida por Victor Miranda ao #CaféComBlink, é feita uma analogia para explicar ao ouvinte o qual é a confusão que acontece, hoje em dia, na justiça do Brasil. Victor também comenta o que esperar para o ano que vem. Ouça:

 

Escrito por

Jornalista e especialista em marketing digital, agora mergulho no universo radiofônico. Produtora do #CaféComBlink. No ar de 2ª a 6ª, a partir das 7h, na Blink 102. Amo colecionar histórias... Me conta a sua?!

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECOMENDADOS PARA VOCÊ:

A era do rádio!

BLINK NEWS

25 MAR: #6_PrincipaisNotícias

BLINK NEWS

Descubra: Diego e Victor Hugo part. Marília Mendonça – Do Copo Eu Vim

DESCUBRA

Cabaré de Rondonão: entenda porque Rondonópolis trendou

AO VIVAÇO