conecte-se conosco

Oi, o que você está procurando?

COLUNISTAS

Pausa para o café

Gosto de escrever na primeira pessoa, mas morro de vontade de saber criar aqueles textos em que o personagem tem nome. A Macabéa da Clarice, O Riobaldo do Guimarães, o Bernardo do Manoel. Esse negócio de ficar no eu, o tempo todo, enjoa.  O lance é se aventurar.   Vou inventar a Raquelzinha.

Uma mulher comum, meia idade e cheia de ai ai ai. Dói o pé, a cabeça, dói até o que não tem.  De manhã, de tarde, de noite. Gosta mesmo é de ouvir “judiação” de quem tiver por perto da sua choradeira e cada dorzinha nova lançada no mercado, corre para arrumar jeito de ter.

Até que foi morar longe. Como que ia reclamar agora sem ninguém para ouvir?  Sozinha é outra conversa. Ouvia duas vozes na cabeça, uma que mandava se cuidar e a outra, se lascar. Até que tomou jeito, foi ao médico. Os exames? um caos. Um monte de alteração, falta de vitaminas do alfabeto todo, uma bagunça.

O remédio ela até sabia, só que não falava para ninguém. Precisava ficar quieta, mudar hábitos, arrumar a coisa toda.  Até que decidiu num chega! ‘Viver com dor e na na pressa de se tornar sabe-se lá o quê, ninguém merece.

Nem para consertar estava dando, ia caminhar, travava o joelho. Parecia carro velho. Amortecedor, bandeja e coxim. Tudo estragado. E para ajudar mais, pegou uma virose, dessas de verão. Não podia comer quase nada, carne, café, álcool. O médico mandou cortar tudo.  Descobriu que além de tudo, era uma viciada de marca maior. Pura cafeína o cérebro da pessoa.  Não dava mais para ser assim.

Nessa pausa, sem poder quase nada, sobrou tempo para analisar seu movimento. Quem mandava no seu corpo? Quem dentro dela metia o pé na jaca? O que é que se faz quando se liberta dessas coisas? Esses medos voadores todos na cabeça. Quando se deu conta, lá se foram 21 dias e aquela voz interna, sossegou. Surgiu um silêncio barulhento. Mas um silêncio.

Só de perceber isso, colocou as taxas todas no lugar e o joelho aquietou e as dores então, tudo sossegado.

Outro dia encontrei com ela. Me disse para beber muita água, diminuir o café e voltar a caminhar.

Como é mesmo o nome que se usa para o contrário de dor?

Pergunta para a Raquelzinha.

Linda Raquel Benitez escreve a coluna Vida Linda para o Blink News. Ela conta o que aprende com tudo o que vê e vive; relata impressões e ideias da vida e do dia a dia. Empresária, produtora cultural e design de eventos, Linda é campo-grandense e vive, atualmente, em Búzios (RJ). É casada, tem dois vira-latas e estuda filosofia. Foto: Milena Rodrigues

Comentários

Você também vai gostar:

COLUNISTAS

São vinte anos olhando para você desse mesmo lugar. Um privilégio porque daqui pude assistir seu repouso tranquilo e imaginar seu sonho que vez...

COLUNISTAS

Ouvir dizer que a palavra Beleza vem do hebraico e quer dizer “Onde Deus Brilha”. Achei poético para começar a contar sobre o dia...

COLUNISTAS

Ideia boa quando brota na cabeça, desce pelo braço, como quem vai para as pernas, desembarca na mão, vira rabisco e nasce em forma...

ENTRETENIMENTO

Um álbum visual. E falta pouco para o tão aguardado trabalho de Beyoncé chegar ao mercado. A parada da rainha é tão revolucionaria que...

ENTRETENIMENTO

Tom Brady (marido da Gisele) fez uma surpresa no 40 aniversário da top. Só que ele teve ajuda de Stevie Wonder.Sua postagem no Instagram,...

BLINK NEWS

No Café com Blink o Blaster Pirotécnico Caio César Guiselli, comentou sobre a explosão que teria tido início em um galpão com fogos de...

ENTRETENIMENTO

Copy – Vem rir com a gente! BLINK 102 FM · ACORDA BLINK – AULA DE (INGREIS) COM PROFESSOR CORUMBÁ DA POPULAR – COPY...

APERTE O PLAY ;)