fbpx

Recalculando rota

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Olhar a vida de cima, tipo um mapa de navegação, pode servir para alguma coisa. Traçar as rotas já feitas com suas curvas, paradas, retornos, de onde saiu, para onde foi. Isso pode ser um exercício para chegar conclusões surpreendentes. Ontem foi assim.

No trânsito, indo para a aula de guitarra, depois de ter passado o dia nos livros para a prova de sábado, esse mapa aconteceu em mim. Virei aquela setinha de aplicativo, que vai para lá e para cá, nos caminhos que a vida fez. Numa fração de segundos, me dei conta que já tinha tido um outro dia igual a esse, em 1980.

Decidi fazer Filosofia porque queria ser “cabeça”. Sentia que mundo era diferente do que a gente vivia na casa do papai e da mamãe e que o segredo estava nos livros, escondido. Quase apanhei quando achei um do Schopenhauer – As dores do mundo. Queria mesmo era ser estranha. Para completar, decidi aprender música.

Aos sábados, depois da faculdade, atravessava a cidade a pé e passava a tarde descobrindo a escala de blues. Fiz isso por dois anos, até ficar sem dinheiro para pagar o curso, tranquei. Das aulas de guitarra, com as cinco notas que aprendi, montei uma banda que chegou a fazer sucesso. No palco, não sei por que razão, ficava tonta. Talvez o som alto ou as luzes piscando, me fazia rodar. Enfim, não deu e foi fim de carreira.

A história seguiu por onde tinha que ser, aprendendo, trabalhando, falando sem parar. Tudo certo, tirando um sentimento pequenininho escondido que me enchia os olhos sempre que via alguém tocando, uma loja de instrumentos ou um bom papo filosófico. Não sabia a força gigante que isso tem dentro da gente.

Trinta anos depois, cá estou, a recalcular rota e na mesma cena. A filosofia me trouxe de volta para as aulas e a música me tomou para a mesma escala. A diferença é que sei muito bem quem está no comando agora. Deve ser esse o mapa da mina. Vou ficar por aqui. A vida sabe muito bem o que quer da gente.  

Vamos pegar a Schopenhauer – sentido BB King.  Hoje vou tocar um blues inteiro, sem escalas, nota a nota para aliviar essas dores do mundo.

E aí? O que acha do assunto? Comente!

As prateleirinhas

Ideia boa quando brota na cabeça, desce pelo braço, como quem vai para as pernas, desembarca na mão, vira rabisco e nasce em forma de

Leia mais »
As paredes têm ouvidos

As paredes têm ouvidos

São vinte anos olhando para você desse mesmo lugar. Um privilégio porque daqui pude assistir seu repouso tranquilo e imaginar seu sonho que vez ou

Leia mais »
Quem sabe hoje...

Quem sabe hoje…

Ouvir dizer que a palavra Beleza vem do hebraico e quer dizer “Onde Deus Brilha”. Achei poético para começar a contar sobre o dia que

Leia mais »
PRIMEIRO OUÇA, DEPOIS LEIA

PRIMEIRO LEIA, DEPOIS OUÇA…

Leia, depois ouça…Do-Ré-Mi-Fa-Fa-Fa Declarei minha independência ou morte por volta dos dezessete anos. Na força dessa idade, fui morar no fundo do terreno da casa

Leia mais »

Assine nossa newsletter e receba tudo primeiro!

Não mandamos spam e nem divulgamos seu e-mail! Apenas enviamos mediante sua autorização.