Conecte com a gente

BLINK NEWS

Referendo na Bolívia é adiado em colégios onde urnas foram queimadas

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia anunciou, neste domingo (21), que adiou até 6 de março a votação do referendo constitucional em dois colégios eleitorais nos quais várias pessoas queimaram urnas e cédulas em protesto pelo atraso na abertura de suas mesas. A presidente do TSE, Katia Uriona, disse em entrevista coletiva que essa decisão abrange [...]

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia anunciou, neste domingo (21), que adiou até 6 de março a votação do referendo constitucional em dois colégios eleitorais nos quais várias pessoas queimaram urnas e cédulas em protesto pelo atraso na abertura de suas mesas.

A presidente do TSE, Katia Uriona, disse em entrevista coletiva que essa decisão abrange os colégios Carmen Ortiz e 24 de Septiembre, situados na cidade de Santa Cruz, onde se produziram os incidentes, que contrastam com a normalidade do resto do país. Ao todo, a votação será repetida em 35 seções.

Os cidadãos reunidos no colégio Ortiz denunciaram que chegaram cedo ao local e constataram que não tinha chegado o material eleitoral requerido, embora pouco depois funcionários entregaram parte das urnas.

Os eleitores então queimaram o material que existia perante os meios de comunicação, expressando seu temor de que o atraso se devesse a uma possível fraude, que foi negada pelo ministro do Interior, Carlos Romero.

Em outras zonas eleitorais dessa mesma cidade a votação começou com várias horas de atraso e o Tribunal Eleitoral decidiu habilitar horas extras para facilitar o processo.

Segundo as autoridades, parte dos problemas se deveu ao fato de que um caminhão que devia entregar os materiais eleitorais sofreu uma avaria técnica, o que atrasou a distribuição.

Mais de 6,5 milhões de bolivianos foram convocados a votar no domingo, dos quais 6,2 milhões vivem no país e 258.990 no exterior.

O referendo pergunta à população se aceita ou rejeita reformar um artigo da Constituição para ampliar de dois a três os mandatos presidenciais consecutivos permitidos, o que permitiria que o presidente Evo Morales se apresentasse às eleições de 2019 na busca de um quarto mandato até 2025.

Morales iniciou sua primeira gestão em 2006, a segunda em 2010 e a terceira em 2015.

Embora a Constituição permita somente dois mandatos consecutivos, o governante pôde apresentar-se ao pleito de 2014 graças a uma decisão do Tribunal Constitucional que considerou que seu primeiro mandato (2006-2010) não conta porque o país foi refundado como Estado Plurinacional em 2009.

Escrito por

Jornalista Brasileira. Produtora de conteúdo. pura canceriana. descobrindo maneiras de agradecer, sempre. respirando fundo, de vez em quando. a louca da poesia, dos contos e das letras de músicas. Journalist brazilian w/ italian citizenship - cargocollective.com/giuliasimcsik

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECOMENDADOS PARA VOCÊ:

Voto aberto ou secreto nas eleições para Câmara e Senado?

BLINK NEWS

ELEIÇÕES 2018: LEMBRETES PARA O 2º TURNO

BLINK NEWS

Deputados retornam do carnaval com quatro projetos para votar

BLINK NEWS

Deputados avaliam ampliação de gratuidade em viagens intermunicipais

BLINK NEWS

Blink102 Blink102 Blink102 Blink102 Blink102

Comentários

“TagSômetro”

Blink102

Posts recentes

Blink102
Publicidade Blink102 Blink102 300x250
Blink102 300x250
WhatsApp chat