fbpx

Um “suspiro” para o ar que respiramos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Satélite NASA

Menor emissão de gases poluentes, dá “suspiro” para o ar que respiramos.

O ar da Terra está literalmente mudando. Com as restrições impostas pela quarentena a NASA decidiu estudar a incidência da emissão gases e divulgou imagens inéditas da “mudança de ares”.

Os satélites da Agência Espacial Americana conseguiram imortalizar os efeitos da redução de emissões de combustíveis fósseis a milhares de quilômetros de distância. Graças a satélites em órbita ao redor da Terra, modelos baseados em computador, conjuntos de dados e sensores localizados na superfície do nosso planeta, cientistas americanos observaram os efeitos crescentes dessa pandemia e como ela está afetando o meio ambiente e a atmosfera do nosso planeta.

 “A NASA tem um papel único a desempenhar em resposta a esta crise”, disse John Haynes, chefe do programa da NASA para aplicações em saúde e qualidade do ar. “Enquanto continuamos a coletar dados de satélite de observação da Terra em escala global, podemos ajudar a entender as mudanças globais resultantes da pandemia, bem como estudar possíveis sinais ambientais que podem afetar a propagação do COVID-19”.

Segundo o cientista, os satélites detectaram níveis mais baixos de dióxido de nitrogênio no ar em escala global. Ambos trabalham com dados da ferramenta de monitoramento de ozônio OMI a bordo do satélite Aura da NASA.

Os cientistas Joiner e Duncan estudaram mudanças na presença de NO2 desde o bloqueio da China. Já em março de 2020, a queda no país já era evidente.

Joiner e Duncan usaram dados OMI, que remontam a 2005, para compará-los com os atuais e para entender como os gases na atmosfera da Terra estão mudando.

“Já tínhamos as ferramentas para fazer esse tipo de monitoramento, porque também monitoramos gases, como dióxido de enxofre, ligados a erupções vulcânicas”,

Joiner disse, no entanto, embora os vulcões tenham sinais muito óbvios e fáceis de ver nos dados de satélite, os impactos relacionados ao coronavírus são mais difíceis de ver. Serão necessárias análises de longo prazo, mas o coronavírus certamente está contribuindo significativamente para a queda nas emissões.

A equipe da OMI decidiu fornecer os dados a cientistas, economistas e profissionais de saúde para ajudá-los a entender como a química da atmosfera está mudando e quais serão os efeitos na economia.

Fontes de referência: NASA via Pensar contemporâneo.

E aí? O que acha do assunto? Comente!

Assine nossa newsletter e receba tudo primeiro!

Não mandamos spam e nem divulgamos seu e-mail! Apenas enviamos mediante sua autorização.