Conecte com a gente

VIVA+

Vem cá, deixa eu te contar uma coisa!

Essa é uma frase que quando a gente escuta, desperta um treco estranho dentro da gente, e não importa o que virá, queremos saber!

Pode falar o que quiser, eu tenho certeza que você já clicou aqui por conta da curiosidade de saber o que eu iria te contar.

Saiba que o que vou te contar não é muito segredo, não.

O que quero te contar é: Todo mundo já fofocou, fofoca, ou vai fofocar um dia.

E não tem nada de ruim nisso, é comum no cotidiano de todo mundo.

Para você que já tá reclamando, dizendo que nunca fofoca, eu te pergunto: Você já ouviu alguma fofoca, mesmo que sem querer? Claro que já. Então você fofoca também.

Fofocar é uma atividade social é tem relação com a aceitação de uma pessoa em um grupo. Começa que alguém solta uma fofoquinha sobre pessoa tal para se sentir incluído no grupo de amigos.

Principalmente se você é novo em no emprego, na escola, no bairro.

A gente tem costume de observar o outro, mas nem sempre é para falar mal. A gente também faz isso para aprender com o outro, se inspirar, copiar… Mas também para fofocar. Principalmente se o comportamento que observamos não segue a um padrão pré-estabelecido.

Mas cuidado! A fofoca também pode ser sinal claro de baixa auto-estima e inveja. Principalmente por parte de quem está contando. Pensa assim: quando alguém faz uma fofoca sobre outra, a maioria das vezes é alguma crítica sobre o que o outro faz ou veste ou fala. E essa crítica feita por quem está fofocando pode mexer com algo muito íntimo desta pessoa fofoqueira.

Não se sinta tão culpado. Isso é normal, é social e não é crime. Só tome cuidado para não espalhar fake news, isso sim é crime.

E caso você nunca tenha ouvido falar existe uma cotação que diz assim: “Uma fofoca é como o vento. Passa, mas vai deixar alguma consequência. Se for apenas um ventinho, a consequência nem vai ser sentida, mas se for um vendaval, pode deixar um rastro de destruição”. Mussak 2008).

Cuidado para não gerar um vendaval.

Escrito por

Comunicador formado em 2010, se encontrou no rádio como uma fonte de energia 100% renovável. O hobbie é modelismo (miniaturas de veículos, edifícios, etc.), design gráfico e, claro, Netflix.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECOMENDADOS PARA VOCÊ:

Invasão Arriscada!

AO VIVAÇO

Blink lança campanha

VIVA+

20_Set #BoasNotícias

BOAS NOTÍCIAS

Cada qual com seu cada qual

COLUNISTAS

WhatsApp chat